FATOS RELEVANTES PUBLICADOS EM 24/10/2018

BRASIL/POLÍTICA

Pesquisa Ibope aponta Bolsonaro com 57% das preferências e Haddad com 43%; rejeição ao candidato do PSL é de 40% e ao petista, de 41%

De acordo com resultados de pesquisa para o segundo turno da eleição presidencial, realizada pelo Ibope entre os dias 21 e 23 deste mês, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, alcançou 57% da preferência dos entrevistados (ante 59% no levantamento anterior) e Fernando Haddad, do PT, 43% (41%)

  • foram consideradas apenas as intenções de voto válido dos entrevistados e excluídas as declarações de voto em branco e nulo e as dos entrevistados indecisos
  • levando em consideração todas as respostas, Bolsonaro obteve 50% (ante 52% na pesquisa anterior) e Haddad, 37% (37%)
  • a rejeição a Haddad foi de 41% (ante 47% na enquete anterior) e a Bolsonaro, de 40% (35%)
  • entre as mulheres, 52% preferiram o candidato do PSL e 48%, o petista
  • Haddad obteve 61% das preferências na Região Nordeste e Bolsonaro, 39%; na Sul, o candidato do PSL venceu o petista por 67% a 33% e, na Sudeste, por 64% a 36%
  • Bolsonaro é o preferido (65% a 35%) entre os que cursaram faculdade e entre os que estão no ensino médio (62% a 38%), enquanto Haddad lidera entre os que estudaram até o quarto ano do ensino fundamental (54% a 46%)
  • no segmento composto pelos que cursaram do quinto ao oitavo ano do ensino fundamental, Bolsonaro vence por 51% a 49%
  • o candidato do PSL foi o preferido entre os eleitores que ganham mais de cinco salários-mínimos (71% a 29%), enquanto Haddad lidera entre os que ganham até um salário-mínimo (59% a 41%)
  • a pesquisa ouviu 3.010 pessoas e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos
  • imagem acima de Veja

 

Bolsonaro afirma que política de cotas é “completamente equivocada” e que é preciso acabar com o “coitadismo” que a justificaria

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, declarou, durante entrevista à TV Cidade Verde, do Piauí, que o “coitadismo” não pode continuar existindo no País

  • de acordo com o portal de notícias do semanário IstoÉ, Bolsonaro disse que “tudo é coitadismo […] coitado do negro, coitada da mulher, coitado do gay, coitado do nordestino, coitado do piauiense”
  • segundo o candidato do PSL, as políticas afirmativas defendidas pelos movimentos sociais “reforçam o preconceito”
  • “Quando eu era garoto, não tinha essa história de bullying. O gordinho dava pancada em todo mundo. Agora o gordinho chora. Acontecem as brincadeiras entre crianças. Elas estão ali se moldando, moldando o caráter. Não tem de ter política pra isso”, disse Bolsonaro
  • ele qualificou como “completamente equivocada” a política de cotas, que garante o ingresso de segmentos sociais menos favorecidos, como os negros, nas universidades públicas
  • segundo Bolsonaro, “70% dos afrodescendentes que entram pela política de cota [na universidade] são bem de vida. Tem que ter uma cota social para inverter isso aí”
  • o candidato do PSL disse que as políticas afirmativas são uma “maneira de dividir a sociedade” brasileira, que é formada por “um só povo, embaixo de uma só bandeira, um só coração verde-amarelo”
  • Bolsonaro também concedeu entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre (RS) e, ao final, o jornalista Juremir Machado da Silva anunciou que pediu demissão da empresa
  • de acordo com o portal de notícias G1, Silva, que não participou da entrevista, entendeu que foi censurado por Bolsonaro, uma vez que o candidato teria solicitado à emissora ser entrevistado apenas pelo âncora, Rogério Mendelski
  • Mendelski afirmou que não houve censura, mas um acordo com Bolsonaro para que apenas ele participasse da entrevista
  • imagem acima de 180graus

 

Em entrevista, Haddad lamenta o não engajamento de Ciro Gomes em sua campanha e chama, equivocadamente, Mourão de torturador

Durante sabatina promovida pelos diários O Globo, Valor Econômico e Extra e pelo semanário Época, o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, afirmou, ao cometar a dificuldade de formar uma frente democrática no segundo turno, que lamentou “muito o Ciro [Gomes, candidato do PDT no primeiro turno] não permanecer no Brasil, sobretudo nesse momento, que não é uma questão qualquer, o que está em jogo no Brasil de hoje, e ele sabe disso”

  • colocado diante da perspectiva da vitória de Jair Bolsonaro (PSL), Haddad afirmou ter feito sua parte “para defender um projeto democrático de País […] contra aquilo que considero que será um grande atraso, um retrocesso retumbante, que é a vitória do que chamo de rebotalho da ditadura”
  • segundo ele, o que Bolsonaro representa “não é nem a ditadura, é o que sobrou dos porões e que hoje se expressa politicamente, não tanto pelo Bolsonaro, que nunca teve importância, mas pelo [general Hamilton] Mourão [vice do candidato do PSL] e que foi, ele próprio, torturador […] O [músico pernambucano] Geraldo Azevedo falou isso”
  • no último sábado, Azevedo afirmou que foi preso duas vezes durante ditadura militar, torturado e que “esse Mourão era um dos torturadores lá”
  • posteriormente, Azevedo divulgou nota pedindo desculpa “pelo transtorno causado pelo equívoco” (o fato narrado por ele ocorreu em 1969, e Mourão ingressou no Exército somente em 1972, aos 18 anos de idade)
  • Haddad responsabilizou a baixa votação que obteve no primeiro turno à compra de pacotes de mensagens disparadas em massa contra a sua candidatura, concentradas nos estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, contendo notícias falsas
  • sobre as causas do fortalecimento de Bolsonaro, ele comparou o fenômeno à queda de um avião: “Quando o avião cai, busca-se saber [o motivo]: foi o manete? Foi a pista? Foi o piloto? É muita coisa que explica o Bolsonaro
  • Haddad citou as fake news e a comoção provocada pela facada levada por Bolsonaro, entre as causas da ascensão do adversário
  • imagem acima de G1 Globo

 

STF e Exército pedem investigação sobre ameaças contidas em vídeo postado por coronel no YouTube

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) solicitaram à Procuradoria-Geral da República (PGR) a abertura de inquérito para investigar o coronel da reserva do Exército Carlos Alves, que defende, em vídeo divulgado no YouTube desde a última sexta-feira (clique aqui), o fechamento do Supremo e ameaçou a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber

  • durante sessão da Segunda Turma do STF, o ministro Celso de Mello disse que o conteúdo do vídeo “é um discurso imundo, sórdido e repugnante do agente que ofendeu a honra da ministra Rosa Weber”, que “exteriorizou-se mediante linguagem profundamente desqualificada, com palavras grosseira e boçais, prova de quem possui reduzidíssimo e tosco universo vocabular, indignas de quem se diz ser oficial das Forças Armadas, instituição permanente do Estado brasileiro”
  • o ministro Gilmar Mendes afirmou que é importante que o caso seja investigado, pois atualmente existe na internet “uma onda de milicianos” criticando as instituições e colocando em dúvida as eleições
  • de acordo com o diário Valor Econômico, a PGR requereu ao Ministério da Segurança Pública a instauração de inquérito policial contra o coronel
  • no vídeo, Alves diz: “Se você [Rosa Weber] aceitar essa denúncia ridícula e tentar tirar Bolsonaro por crime eleitoral, nós vamos derrubar vocês ai sim. Por que ai, acabou. Lembre-se bem, povo brasileiro, que em 64 foi exatamente por causa dessa corja da esquerda que o povo pediu e as Forças Armadas e o Congresso Nacional entraram em ação”
  • o militar da reserva diz que o STF é um “Supremo Tribunal de canalhas, de corruptos, de vagabundos” e que o TSE é um “tribunal porcalhão”
  • o Comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, encaminhou representação ao Ministério Público Militar solicitando que fosse investigado o cometimento de possível ilegalidade no comportamento de Alves
  • imagem acima de YouTube

 

BRASIL/ECONOMIA

Empresa têxtil mexicana anuncia compra da brasileira Santista

A empresa têxtil mexicana Siete Leguas informou, por meio de nota, que assinou acordo com o grupo brasileiro Mover Participações para aquisição de 100% das ações da têxtil Santista Work Solutions e todas as suas subsidiárias no Brasil, assim como de sua subsidiária argentina, Mundo Textil Mag

  • a Santista (de propriedade da Mover Participações, atual nome da holding Camargo Corrêa S/A) é organizada em duas unidades de negócios: Jeanswear, com foco na fabricação de tecidos inovadores para a produção de roupas jeans; e Workwear, com foco na produção de tecidos especiais para confecção de roupas para trabalhar
  • imagem acima de FashionNetwork

 

MUNDO/POLÍTICA

Governo dos EUA revoga vistos de 21 envolvidos no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi e presidente da Turquia afirma que crime foi premeditado e “selvagem”

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou a revogação dos vistos americanos de 21 pessoas envolvidas no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, ocorrido no consulado da Arábia Saudita, em Istambul (Turquia)

  • durante discurso pronunciado no Parlamento da Turquia, o presidente do país, Recep Erdogan, disse que há fortes sinais de que o assassinato foi “planejado” e de que o jornalista foi morto de forma selvagem, exigindo a revelação dos nomes dos responsáveis e do paradeiro do corpo
  • o presidente americano, Donald Trump, considerou que Erdogan foi “muito duro” com os sauditas, mas afirmou que a ação conduziu a uma das “piores operações de acobertamento da história”
  • o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, participou da abertura da conferência “Investiment Initiative”, em Riad, chamada de “Davos no deserto”, em sua primeira aparição pública após o desaparecimento do jornalista
  • imagem acima de Reuters

 

Encontro de assessor de Segurança Nacional dos EUA com presidente da Rússia, para discutir retirada dos americanos de tratado que limita a proliferação de mísseis, termina sem acordo

Segundo o diário americano The Washington Post, o assessor de Segurança Nacional do governo dos EUA, John Bolton, indicou, após encontro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que não houve acordo sobre o plano de retirada dos EUA do tratado que limita as armas nucleares de alcance intermediário, assinado com os russos em 1987

  • Bolton não detalhou a conversa com Putin, nem os próximos passos do governo americano, mas reiterou a intenção do presidente Donald Trump de abandonar o tratado
  • de acordo com o diário O Estado de S.Paulo, o presidente russo disse que está aberto para se encontrar com Trump em Paris, no próximo mês, durante comemoração dos 100 anos do armistício que pôs fim à I Guerra Mundial
  • imagem acima de Terra

 

MUNDO/ECONOMIA

Comissão do governos dos EUA barra venda, para grupo chinês, de subsidiária italiana de companhia japonesa

Artigo publicado na edição desta quarta-feira do diário Valor Econômico informa que a empresa japonesa de material de construção Lixil anunciou, na última segunda-feira, que a Comissão de Investimentos Externos dos EUA (Cfius, na sigla em inglês) do Departamento do Tesouro americano, não autorizou a venda de sua subsidiária italiana de arquitetura Permasteelisa para o grupo chinês Grandland Holdings

  • a venda da divisão italiana pela Lixil vinha sendo negociada com a chinesa por 467 milhões de euros desde 2017
  • a italiana Permasteelisa obtém 40% de sua receita em território americano
  • segundo o artigo, a Cfius tem poderes para barrar aquisições por empresas estrangeiras com base na segurança nacional dos EUA
  • o diretor financeiro da Lixil, Sachio Matsumoto, afirmou que “a guerra comercial deve ter tido um efeito” na decisão da Cfius e que a empresa está examinado “alternativas futuras”
  • imagem acima de Nikkei Asian Review

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *